Escolha uma Página

Liderança mundial brasileira na redução de emissão de carbono, ausência de um marco regulatório sobre Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Floresta (REDD), morosidade do governo federal para ações efetiva legais dessas políticas e como o pecuarista e o consumidor final devem enxergar a importância da implantação de projetos REDD+ para uma sociedade mais sustentável foram alguns dos destaques do Workshop REDD+ Ferramenta para uma Pecuária Sustentável. O evento gratuito foi realizado na última quarta-feira (10), na sede do Banco do Brasil, em São Paulo, pela Comissão de Incentivos Econômicos e Financeiros (CIEF) do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) e contou com a presença de mais de 60 pessoas da cadeia de valor da pecuária brasileira.

Por meio de quatro painéis, o Workshop apresentou o cenário atual, casos e sugestões sobre o assunto considerado ainda muito técnico para o setor. O primeiro painel “Histórico e Panorama do REDD+ no Brasil” contou com a participação dos especialistas Mariano Cenamo (Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas-IDESAM) e Marina Piatto (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola -IMAFLORA) e dos debatedores Marcelo Stabile, (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM) e Helena Alves (Instituto Internacional de Sustentabilidade – ISS). “Arcabouço Legal Necessário” foi o segundo tema abordado pelo pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e professor da Fundação Getúlio Vargas, Eduardo Assad, e pelo Laurent Micol (Instituto Centro de Vida – ICV). Para este painel, o debate contou com a presença do professor da Fundação Instituto de Administração, João Furtado.

Já o terceiro painel, por sua vez, chamado de “Cases e Lições aprendidas” contou com a participação de Marco Aurélio Freitas, da Carbon Securities, Helen Alves, do (IIS), Mariama Vendramini (Biofílica) e Rodrigo Freire (The Nature Conservancy), que detalharam seus projetos, cases em andamento e lições aprendidas. O último painel “Discussões e Encaminhamentos” foi marcado pela presença do produtor da Fazenda Nossa Senhora das Graças, André Bartocci, Christopher Wells, do Santander, Daniela Teston, da JBS, Francisco Beduschi, Coordenador do CIEF do GTPS e representante do ICV, Celso Cardoso, do Banco do Brasil e Natália Tendeiro, do Walmart.
Como encaminhamento, um documento sobre o evento será elaborado e encaminhado para o Conselho Diretor do GTPS, que decidirá sobre os próximos passos. “Mesmo estando no início das discussões sobre o tema, ficou muito claro que o GTPS pode e deve ser protagonista na discussão desse assunto. Vamos aproveitar que o assunto REDD+ ainda está em debate para que possamos elaborar uma mensagem única que auxilie os interesses de todos os elos da cadeia”, destacou o coordenador da CIEF do GTPS, Francisco Beduschi.

Sobre REDD+

O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal) é um conjunto de incentivos econômicos, com o fim de reduzir as emissões de gases de efeito estufa resultantes do desmatamento e da degradação florestal. O conceito parte da ideia de incluir na contabilidade das emissões de gases de efeito estufa aquelas que são evitadas pela redução do desmatamento e a degradação florestal. A 13ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima (COP-13) incluiu na sua definição também atividades de conservação, manejo sustentável das florestas e aumento de seus estoques em países em desenvolvimento. Estes componentes deram origem ao REDD+ ou REDD plus. Durante o workshop a CIEF quer discutir como fazer desses incentivos econômicos uma ferramenta para a transição da pecuária para um patamar mais sustentável. Essa discussão está diretamente ligada ao princípio da Melhoria Contínua preconizado pelo GTPS.

Sobre o GTPS

Criado no final de 2007 e formalmente constituído em junho de 2009, o Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) é formado por representantes de diferentes segmentos que integram a cadeia de valor da pecuária bovina no Brasil, entre eles indústrias, organizações do setor, produtores e associações, varejistas, fornecedores de insumos, bancos, organizações da sociedade civil, centros de pesquisa e universidades. O objetivo do GT é debater e formular, de maneira transparente, princípios, práticas e padrões comuns a serem adotados pelo setor, que contribuam para o desenvolvimento de uma pecuária sustentável, socialmente justa, ambientalmente correta e economicamente viável. Em 2014, o grupo recebeu o Certificado de Excelência em Sustentabilidade na categoria Governança Corporativa, entregue pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) em reconhecimento ao processo claro e transparente de tomada de decisões e demonstração de resultados do GTPS. Mais informações sobre o GTPS estão disponíveis no site www.pecuariasustentavel.org.br. Acompanhe também pelo twitter, em @gtps_brasil, e pelo Facebook, em www.facebook.com/gtpsbrasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa GTPS